Batata rosti

Hoje o QTMD traz uma receita de origem suíça, a batata suíça, também conhecida no Brasil por batata rösti ou batata rostie. A palavra rösti, significa fina e crocante. Dessa forma, a batata rösti que originalmente é composta por batata, bacon, queijo e salsinha, frita em manteiga ou óleo, é servida em forma de uma panqueca fina. No brasil, nós adicionamos um pouco de criatividade e sustância (!) incorporando recheios variados à receita original, e criando a batata suíça, uma derivação da rösti, só que mais robusta. A versão que eu preparei foi com recheio de queijo cheddar e bacon, que era o que tinha em casa, e ficou uma delícia!

INGREDIENTES
– 6 batatas médias
– sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto
– queijo cheddar em fatias (por volta de 6 fatias, ou a quantidade desejada)
– bacon em cubos

Modo de preparo: lave, descasque e passe as batatas na parte grossa do ralador. Sobre uma tigela, abra um pano de prato limpo e coloque as batatas raladas no centro. Una as pontas do pano, formando uma trouxinha, torça e esprema bem para extrair toda a água das batatas – isso evita que elas grudem na frigideira na hora de fazer a rosti. Despreze toda a água. Abra o pano e tempere as batatas com sal e pimenta-do-reino a gosto. Leve ao fogo baixo uma frigideira grande com cerca de 30 cm de diâmetro. Quando aquecer, adicione 1 1/2 colher de sopa  de azeite. Gire a frigideira para untar todo o fundo e laterais com o azeite. Mantenha a frigideira em fogo baixo e distribua metade das batatas raladas até cobrir o fundo da frigideira. Pressione com uma espátula para formar uma camada uniforme. Coloque o queijo fatiado e o bacon – deixe cerca de 2 cm de toda a borda livre para evitar que o recheio vaze e a rosti grude nas laterais. Cubra com o restante das batatas raladas e, com a espátula, pressione para nivelar e selar as laterais. Regue a lateral da frigideira com o restante do azeite para garantir que a rosti solte na hora de virar. Deixe cozinhar em fogo baixo por 12 minutos para dourar a base. Para dourar o outro lado: retire a frigideira do fogo e, com a espátula, solte as laterais e o fundo da batata rosti. Deslize toda a rosti sobre um prato grande, cubra com a frigideira e vire de uma só vez. Volte a frigideira ao fogo baixo, deixe cozinhar por mais 12 minutos e desligue e fogo. Sirva a seguir!

DICAS

– Eu utilizei duas frigideiras que se encaixam (aquelas de fazer omelete) para não ter que virar no prato e deu super certo. Você também pode usar duas frigideiras comuns do mesmo tamanho.

– Os recheios podem ser inúmeros, é só usar a criatividade!

Aí vai o passo a passo da receita

Abobrinhas recheadas

Abobrinha recheada – ou zucchini ripieni se quiser italianar – é um prato que eu faço muito aqui em casa. Ele pode ser preparado de duas formas, cortando a  abobrinha ao meio no sentido do comprimento (longitudinal), e assim ela fica como se fosse uma barquinha, ou cortando-a ao meio no sentido da largura (transversal), fazendo com que ela se transforme em um cilindro. Eu prefiro a primeira opção, acho que fica mais  agradável tanto visualmente quanto para acomodar no prato e comer. Quanto ao recheio, ele também pode ser preparado de inúmeras formas, tem gente gosta de usar apenas a polpa da abobrinha, tem gente que mistura arroz, tem quem use purê de batata… O recheio que eu uso é um refogado de carne moída com a polpa da abobrinha e alguns outros ingredientes, que aliás, são totalmente substituíveis por outros da sua preferência. É só usar a criatividade e os ingredientes que tiver em casa!

Ingredientes

– 2 abobrinhas italianas médias.

– 1 colher de sopa de azeite.

– 1 dente de alho picado ou amassado.

– 1/2 cebola grande ou 1 cebola pequena cortada em cubos.

– 250g de patinho moído. Pode substituir pela carne de sua preferência.

– 2 tomates pelados (em lata) cortados em cubos com 2 colheres de sopa do molho.

– 2 colheres de sopa de azeitonas verdes sem caroço fatiadas.

– 60g ou 1/2 xícara de chá de bacon em cubos.

– 1 colher de sopa de requeijão (opcional).

– sal e pimenta-do-reino a gosto.

– 2 fatias de mussarela cortadas ao meio no sentido do comprimento (longitudinal).

– 2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado.

Modo de preparo: lave bem as abobrinhas e corte-as ao meio no sentido do comprimento (longitudinal). Leve para cozinhar em água fervente por 5 minutos. Escorra e com o auxílio de uma colher, retire a polpa, deixando uma bordinha. Reserve a polpa e as barquinhas. Prepare o recheio: em uma panela, aqueça 1 colher de azeite em fogo alto e frite o bacon até dourar. Retire o bacon com uma escumadeira, reserve, e no mesmo óleo refogue a cebola até começar a ficar transparente. Junte o alho e deixe refogar mais um pouco. Acrescente a carne e frite até que ela fique dourada (aproximadamente uns 5 minutos). Adicione a polpa da abobrinha, os tomates pelados cortados em cubos, as 2 colheres de molho e refogue por mais uns 2 minutos. Acrescente o bacon reservado e as azeitonas e tempere com sal e pimenta-do-reino a gosto. Adicione 1 colher de requeijão e desligue o fogo. Transfira as barcas de abobrinhas para uma forma forrada com papel alumínio e distribua o recheio uniformemente sobre elas. Cubra cada uma com metade do queijo mussarela e polvilhe com o parmesão ralado. Leve ao forno pré-aquecido a 180°C ou até derreter o queijo e gratinar. Sirva em seguida!

Dica

Se quiser transformar esse prato em algo mais light, é só tirar o bacon, e a mussarela de cima, e substituir o requeijão comum pelo zero ou não usar.

Espaguete à carbonara – o legítimo

Uma das minhas massas favoritas é o espaguete à carbonara, ou spaghetti alla carbonara, se preferir. Além de ser um dos meus molhos preferidos, acho que o carbonara combina muito bem com inverno. Apesar de aderir quase que totalmente à massa e portanto não ser um molho tão abundante como um molho ao sugo, ou um molho cremoso de queijo – que diga-se de passagem, são molhos que também esquentam qualquer estômago – os sabores fortes e acentuados dos queijos pecorino e parmesão e do bacon, juntamente com os ovos, me trazem muito conforto em dias frios.

Existem muitas versões de como o molho carbonara possa ter surgido. A mais conhecida é que tenha surgido na Itália, na região de Úmbria, criada por trabalhadores das minas (carbonari) de carvão (carbone). Assim como a sua origem, a receita também tem várias versões. A que deixo aqui para vocês é a receita do carbonara mais tradicional, que também é a que costumo fazer sempre aqui em casa e fica uma delícia!

Ingredientes

– 300 g de pancetta (ou bacon em cubos).

– 1 dente de alho descascado apenas amassado com a faca.

– 1 colher de sopa de azeite.

– 600 g de espaguete cozido al dente.

– 5 ovos (1 para cada pessoa).

– 5 colheres de sopa de queijo parmesão ralado.

– 5 colheres de sopa de queijo pecorino ralado.

– Pimenta-do-reino e sal a gosto.

Modo de preparo: corte a pancetta em pedacinhos pequenos, ou utilize o bacon comprado em cubos.  Em um recipientes, bata dos ovos e tempere com pimenta-do-reino. Adicione os queijos ralados, misture e reserve. Cozinhe a massa. Enquanto a massa cozinha, em uma frigideira, coloque o azeite e o alho amassado. Frite um pouco o alho e junte a pancetta ou o bacon até ficar dourada/o e soltar a gordura. Quando o alho estiver dourado pode retirá-lo (serve para dar mais sabor). Misture o espaguete cozido al dente à frigideira da pancetta (ainda no fogo) e misture. Apague o fogo e coloque o ovo batido por cima na panela ainda quente. Transfira para o recipiente onde irá servir e decore com salsinha. Essa receita serve 5 pessoas.

Dica

É importante desligar o fogo antes de colocar os ovos, pois se a panela estiver muito quente, eles irão fritar.

Nhoque de banana-da-terra com couve e farofa de bacon

A banana é uma fruta super versátil! É muito utilizada no preparo de doces, mas no Brasil também é muito usada em diversos pratos salgados, na maioria das vezes como acompanhamento: pode ser utilizada na farofa, pode ser usada para fazer purês, ou na versão à milanesa ou frita para acompanhar carnes ou peixes. No entanto, hoje a banana deixará de ser coadjuvante e atuará como personagem principal no “Quem tem medo de cozinha?”.

Nunca havia comido o nhoque de banana-da-terra antes. O que posso dizer, é  que tem um sabor bem peculiar, porque apesar de levar queijo na massa, ele fica realmente com bastante gosto de banana e levemente adocicado. Porém, a farofa de bacon que vai por cima e a couve que se mistura ao nhoque, fazem a combinação de sabores e texturas perfeitas para o prato. A crocância e o salgado do bacon fazem o complemento à maciez e ao adocicado do nhoque e a couve entra com a liga que faltava, já que essa versão do prato não leva molho. Vale a pena experimentar!

Ingredientes
– 2 bananas-da-terra.
– 3 fatias de bacon (aqueles comprados já fatiados).
– Couve manteiga cortada em tirinhas.
– 1/2 xícara de chá de amido de milho.
– 1/4 xícara de chá de água.
– 1/2 xícara de chá de queijo meia-cura ralado fino.
– 6 colheres de sopa de azeite.
– sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Modo de Preparo

Para a farofa de bacon: forrar um prato com duas camadas de papel-toalha. Distribuir as fatias de bacon sobre o papel, uma ao lado da outra, sem encostar. Cobrir com mais duas camadas de papel-toalha e leve ao micro-ondas por 2 minutos, em potência alta. Retire e verifique: se o bacon ainda não estiver dourado, leve para rodar por mais 30 segundos. Quando estiver frio, pique fininho com a faca ou soque no pilão, até formar uma farofa.

Para o nhoque: levar as bananas com casca ao forno pré-aquecido a 180ºC por 15 minutos, ou até que a casca fique bem escura e o interior macio.

Assim que as bananas esfriarem, corte cada uma ao meio e retire a polpa com uma colher. Transferir para uma panela média. Bater com o mixer, até formar um creme liso ou, se preferir, amasse com um garfo. Numa tigelinha, misturar o amido de milho com a água, até dissolver. Juntar ao creme de banana e levar ao fogo médio para cozinhar por cerca de 5 minutos, sem parar de mexer, até soltar do fundo. Temperar com sal e pimenta-do-reino, juntar o queijo e misturar bem. Transferir a massa pronta para uma tigela e deixar esfriar até conseguir manusear. Com as mãos, retirar uma porção e fazer rolinhos de cerca de 1 cm de diâmetro. Cortar essas cobrinhas na diagonal, a cada 2 cm, para formar os nhoques. Repetir com toda a massa.

Levar uma frigideira grande, de preferência antiaderente, ao fogo médio. Quando aquecer, regar com 2 colheres de sopa de azeite e juntar metade dos nhoques. Deixar dourar por cerca de 1 a 2 minutos de cada lado e transfira para um prato. Repetir com a massa restante.

Regar com mais 2 colheres de sopa de azeite e refogar a couve até amaciá-la. Temperar com sal e pimenta-do-reino a gosto. Voltar os nhoques para a frigideira, misturar com a couve e transferir para dois pratos. Salpique cada porção de nhoque com a farofinha de bacon crocante e sirva a seguir.

 Essa receita serve apenas 2 pessoas.

Dica

Na receita original, a couve é usada cortada em pedaços, e não tem tirinhas. Achei que, como o nhoque não leva molho, a couve ficaria melhor cortada em tiras finas para dar a liga, e fiz a minha adaptação. Achei mais prático também, pois já comprei a couve fatiada. No entanto, se quiser seguir a receita original, faça dessa forma: lave e seque as folhas de couve. Retire e despreze o talo central de cada folha. Rasgue com as mãos para formar pedaços médios, do tamanho de folhas de espinafre. O modo de preparo é igual ao que está descrito na receita acima.

Dica do fim de semana: Z Deli Sandwich Shop

IMG_8597-0Seja na hora do almoço ou no jantar, seja durante a semana ou no final de semana, sempre tem uma fila de espera na porta da unidade de Pinheiros do Z Deli. E não é para menos! Entre as várias hamburguerias que surgiram na região oeste de São Paulo nos últimos 2 anos – e realmente foram muitas – a Z Deli é uma das minhas prediletas. Quer saber o motivo do sucesso? Só experimentando os hambúrgueres para entender. Além de saborosíssimos, eles são preparados com o maior capricho. O meu preferido é o Cheese Bacon Barbecue (carne – que apesar de alta, vem sempre no ponto solicitado – , cheddar, cebola caramelizada, molho barbecue e bacon). Mas também gosto muito do Joint (carne, cheddar, cebola roxa, bacon e picles) e do sanduíche de pastrami (pão de centeio, peito de boi curado e defumado, mostarda da casa e picles salgado), um dos carros chefe da casa. Além desses citados, tem outros lanches com várias opções de combinações, com diversos tipos de pães e de carnes. Como acompanhamento nunca deixo de pedir as Z Deli Fries. Sempre quentinhas e crocantes, elas vêm temperadas com páprica e alecrim. Além disso, vêm acompanhadas por uma maionese DELICIOSA, a melhor que já comi! E pra fechar a refeição perfeitamente, a imbatível cheesecake com calda de amora. O ambiente é super agradável, a chapa é visível do salão e eu adoro sentar no balcão para ficar observando o serviço. Se você se animou para conhecer, mas ficou pensando na fila de espera, não se preocupe. Apesar de estar sempre lotado, o serviço é muito ágil e a espera leva até no máximo 30 minutos. Pelo menos essa foi a média da espera nas vezes em que estive lá.

Z Deli Sandwich Shop

Rua Francisco Leitão, 16 – Pinheiros – S.P.

http://www.zdelisanduiches.com.br

Sopa creme de ervilhas

Está um friozinho bom em São Paulo desde o início da semana. Nesses dias onde o clima é de “não quero sair debaixo das cobertas “, nada melhor que tomar uma sopinha, para esquentar o corpo e o coração❤️.  E é justamente isso que eu vou fazer hoje: sopa creme de ervilhas! Para incrementar um pouco e dar bossa à receita, resolvi adicionar um pouco de paio e bacon ao caldo, porque cá entre nós, ninguém consegue ser saudável o tempo inteiro, né?! E eu adoooro bacon! Mas voltando à sopa, o modo de preparo é bem simples, não vai precisar de panela de pressão nem nada. Para você ter uma noção, o mais complicado será a parte de bater tudo no liquidificador. Então vamos à receita!

Ingredientes:

– 1 1/2 xícara de ervilhas secas lavadas e escorridas.

– aproximadamente 6 xícaras de água fervente.

– bacon em cubos a gosto (coloquei aproximadamente 60g).

– fatias de paio cortadas em meia-lua a gosto (coloquei meio paio).

– 1 colher de chá (cheia) de sal.

– azeite.

Modo de preparo: Aquecer aproximadamente 1 colher de sopa de azeite e fritar o bacon com o paio. Quando estiverem fritos, tirar com uma escumadeira e reservar. Neste mesmo azeite que fritou o bacon com o paio, adicionar 1 1/ 2xícara de ervilhas secas e escorridas. Temperar com 1 colher de chá de sal e fritar um pouco. Adicionar 5 xícaras de água fervente e deixar cozinhar em fogo médio até que as ervilhas estejam desmanchando. Como não utilizaremos panela de pressão, esse processo irá demorar um pouco, mais ou menos uns 40 minutos. Ir mexendo de vez em quando para facilitar que as ervilhas se desmanchem e dessa forma, engrossar o caldo. Se nesse tempo a água secar, ir acrescentando mais aos poucos. Assim que as ervilhas estiverem bem moles e desmanchando, desligar o fogo. Transferir o caldo para o liquidificador e bater até formar um creme. Se ficar muito espesso, acrescentar um pouco de água (pode ser fria mesmo) para dar o ponto. Transferir o creme novamente para a panela, adicionar o bacon e o paio fritos e levar para ferver um pouco em fogo baixo. O creme de ervilhas está pronto! Para finalizar, um fio de azeite, uma salsinha picada, et voilá!