Dica do fim de semana: Jesuíno Brilhante

Em uma casa simples no bairro de Pinheiros, zona oeste de São Paulo, fica o Jesuíno Brilhante. A proposta do restaurante é servir pratos típicos da culinária do Rio Grande do Norte, como se come lá! E eles cumprem com o objetivo. No cardápio: carne de sol preparada de várias formas – na chapa, na nata, em forma de paçoca e até de sanduíche, guisado, cuscuz nordestino, arroz de leite, feijão de corda, entre outras delícias. Bem diferente do que estamos acostumados a ver nos restaurantes típicos nordestinos, que geralmente oferecem comidas de outras regiões. Tudo é servido em pratos ou marmitinhas de alumínio, o que nos faz entrar ainda mais no clima e nos sentirmos como se estivéssemos em algum restaurante simples do sertão potiguar. Fomos de carne de sol na chapa acompanhada de macaxeira na manteiga, farofa d’água e queijo coalho (R$32, ressaltando que o prato custa R$27, mas, como adicionei o queijo coalho, foram acrescidos mais R$5), e de carne de sol na nata acompanhada de arroz de leite e cuscuz nordestino (R$24). Ambos os pratos muito bem preparados e gostosos. A carne na chapa estava bem macia e a carne na nata muito cremosa! De sobremesa, o quebra-queixo de coco queimado suuuper puxa-puxa. Saboreamos tudo ao som de Luiz Gonzaga – que eu amo – em um ambiente, que, apesar de reduzido, é muito agradável.

Jesuíno Brilhante
Rua Arruda Alvim, nº180 -Pinheiros
São Paulo – S.P.

Bolinho de arroz do Ritz

O Ritz é um restaurante muito conhecido aqui em São Paulo. A primeira unidade foi inaugurada em 1981, na Alameda Franca, no bairro dos Jardins. Hoje ele tem mais outras duas unidades, mas a minha preferida continua sendo a mais antiga. No cardápio super variado, entre outras coisas, um dos hits do Ritz 😛 é o bolinho de arroz! E outro dia, pesquisando sobre bolinhos na internet, não é que achei a receita do famoso bolinho? Aproveitei então que a Carol, uma de minhas irmãs, veio passar o sábado aqui em casa nesse final de semana, testei a receita para petiscarmos, e aprovamos! Realmente fica muito parecido com os bolinhos do Ritz, super sequinhos e gostosos! Aí vai a receita para quem quiser conferir.

 

Ingredientes

– 4 xícaras de chá de arroz cozido.
– 4 ovos.
– 1/4 de xícara de chá de farinha de rosca.
– 1 xícara de chá queijo parmesão ralado.
– 1/2 colher de chá de fermento em pó.
– 1/2 xícara de chá de salsinha.
– 1/2 xícara de chá de cebolinha.
– 1/2 colher de chá de sal.
– 1/4 de colher de chá de pimenta-do-reino.
– óleo para fritar.

Modo de preparo: Misturar todos os ingredientes em uma tijela. Com o auxílio de duas colheres, formar os bolinhos e fritar em óleo quente. Servir em seguida.

 

Dicas

Como de costume, resolvi dar o meu toque à receita. Adicionei um pouco de pimenta-dedo-de-moça aos outros ingredientes achei que combinou muito bem. Carol também gostou!

O bolinho de arroz vai muito bem acompanhado de molho inglês.

Para que fique sequinho, o óleo tem que estar quente e a quantidade deve ser suficiente para que o bolinho fique totalmente imerso.

Dica do fim de semana: Festival de Sopas do CEAGESP

A dica boa de hoje tem tudo a ver com frio que tem feito aqui em Sampa, é o já conhecido festival de sopas do CEAGESP. O festival já virou destino fixo no meu roteiro de inverno e é só começar a esfriar que eu já fico com vontade de correr pro CEAGESP e me esquentar com as diversas sopas sempre deliciosas que o cardápio oferece. O festival surgiu a partir de uma das já tradicionais atrações gastronômicas de São Paulo nas décadas de 60 e 70: a sopa de cebola do antigo CEASA. No começo, o prato era servido apenas para os comerciantes, seus empregados e clientes, como um dos pratos do antigo restaurante que funcionava no local, mas ganhou tanta fama que começou a ficar conhecida também fora do CEAGESP, e logo conquistou o paladar dos amantes da boa gastronomia e boêmios, que buscavam opções de refeições na madrugada. Em 1.980 o restaurante que servia a sopa fechou, e em 2.009 – quase 30 anos depois – em razão das comemorações dos 40 anos do CEAGESP, foi criado o festival de sopas, cujo cardápio incluía a saudosa sopa de cebola. Desde então ela é o único prato fixo do cardárpio do festival, que acontece todo ano e tem, além da sopa de cebola, mais três opções de sopas, que mudam toda semana. O visitante pode saborear à vontade todos os tipos de sopa de buffet self-service, quantas vezes quiser, ao valor fixo de R$32,90. E a partir desse mês de julho até o final do festival, uma novidade: sopa delivery! As pessoas podem receber em casa todas as sopas, assim como as sobremesas e bebidas. O cardápio de sopas você pode acompanhar pelo site oficial do festival, assim como mais informações sobre o delivery. Se você ainda não conhece o festival de sopas do CEAGESP, ainda está em tempo! Ele acontece até 30/08 e funciona de quarta a domingo, a partir das 18h. Às quartas, quintas e domingo, até a meia-noite e às sextas e sábados até às 2h da manhã.

Festival de sopas CEAGESP
Av. Dr. Gastão Vidigal –  Vila Leopoldina, altura do nº 1.946,
Entrada pelo portão 4.
Estacionamento no local.

Dica do fim de semana: Instituto Chão

No coração da Vila Madalena, em São Paulo, está o Instituto Chão, uma associação sem fins lucrativos, que conta com um espaço de convivência para experimentação de novas formas de relação. O espaço oferece uma mercearia com produtos orgânicos e artesanais, além de um café. Lá encontraremos uma grande variedade de produtos: pães, geleias, molhos de tomate, temperos, hortifrutis, queijos, bebidas, e até congelados. Há também comércio de plantas e cerâmicas. A novidade boa é que todos os produtos são vendidos a preço de custo, direto do produtor! Quem costuma comprar produtos orgânicos sabe que o valor é bem superior ao dos produtos comuns, mas no Instituto Chão o preço honesto é o que chama a atenção. Fiz umas comprinhas lá essa semana e vejam como valeu à pena!

Suco de maçã integral 300ml: R$5,39 Suco de Molho de tomate orgânico 570g: R$12,25
Sal com ervas orgânico 200g: R$5,13
Queijo de coalho (leite de cabra) 180g: R$4,50

Além dos preços atrativos, o espaço é super aconchegante, e o café uma delícia!

Instituto Chão

Rua Harmonia, nº123.
Vila Madalena – São Paulo.
Funcionamento: ter a sáb das 10h às 20h.
http://www.institutochao.org/

Dica do fim de semana: Bar do Luiz Fernandes

Bom dia! Hoje é sábado e o friozinho continua aqui em Sampa, apesar de o dia estar azul e ensolarado. Vocês ainda não sabem mas vou contar uma outra novidade agora: fim de semana não é dia de receita mas dia de dicas! Sim, a cada fim de semana indicarei algum lugar legal, seja restaurante, bar, boteco, café, onde costumo ir, ou que acabei de descobrir, e que acho que vale a pena conhecerem. Gostaram? Então fiquem de olho que teremos muita coisa boa por aqui! Ou não (caetanando), pois se tiver algo que não corresponda às minhas expectativas, também vou contar pra vocês!

Apesar do frio e da vontade de ficar na cama, tive que levantar cedo para levar o meu coraçãozinho externo, quer dizer, o Billy, um cocker spaniel caramelo, peludo, de olhar terno e orelhudo, ao veterinário. Meio chato, porque tem uma fila enorme de pacientes, demora, está um dia bonito e eu gostaria de fazer outra coisa. Mas a notícia boa é que o consultório fica na zona norte, e o que temos na zona norte?! O Bar do Luiz Fernandes, o melhor bar da zona norte na minha opinião! Frequento o bar há um bom tempo, desde quando eu bebia apenas refrigerante. Isso faz uns 25 anos e nessa época eu morava na zona norte. Hoje as coisas estão um pouco diferentes, não bebo apenas refrigerante, não moro mais na zona norte, mas sempre que passo por lá dou um jeito de comer um petisco e tomar uma cerveja gelada! Então, hoje é dia!

O Bar do Luiz Fernandes existe há 44 anos. Antigamente era um sobradinho, hoje em dia está maior, mas ainda preserva a cara de boteco. Os drinks e os petiscos são preparados pelos próprios donos do bar, o seu Luiz e a dona Idalina. O filho deles, Edu, faz o atendimento ao cliente. Além das porções, o bar conta com um balcão com uma variedade grande de acepipes. O bolinho de carne é incrível e o carro chefe do bar, mas o meu preferido é o carequinha, um bolinho que foi criado para comemorar os quarenta anos do bar. Ele leva aliche, alcachofra, mussarela e tomate seco no recheio, e isso tudo é envolvido por uma deliciosa massa de batata.
Se você ainda não conhece o bar do Luiz, precisa conhecer!

Bar do Luiz Fernandes

Rua Augusto Tolle, 610 – Santana – S.P.

http://bardoluizfernandes.com.br/